domingo, 30 de novembro de 2008

Romaria Vicentina ao Morro da Conceição


Dia 9 de novembro tivemos um acontecimento dos mais importantes na tradição de nossa paróquia: a Romaria Vicentina ao Morro da Conceição. Expressão devocional dos confrades e das consorcias da Sociedade de São Vicente de Paulo, que todos os anos sobem ao Morro para homenagear a Nossa Senhora, esta Romaria já é realizada desde 1903 (no primeiro ano foi do centro do Recife até a cidade de Olinda) e recorda o fato de os vicentinos terem sido um dos principais responsáveis pela construção daquele monumento em 1904 quando, unidos ao arcebispo de Olinda naquele ano, Dom Luis Raimundo da Silva Brito, ajudaram a angariar recursos para que se elevasse no alto do Morro o belíssimo monumento à conceição imaculada de Maria.


Como de costume, os vicentinos de várias localidades como Caruaru, Limoeiro, Petrolina, Sertânia, Arcoverde, Vitória, etc., reuniram-se em nossa paróquia Bom Jesus do Arraial para as orações iniciais e um gostoso café da manhã. Em seguida organizaram-se em fileiras para, com músicas católicas e rezando o terço, subirem ao morro e entregar a Nossa Senhora o seu louvor e os resultados de seus trabalhos apostólicos em favor dos mais pobres. No Morro foi celebrada a missa por Frei Policarpo, Beneditino, que é Diretor espiritual do Conselho Metropolitano de Olinda e Recife. Neste ano esteve presente o presidente do Conselho Nacional, o confrade Nelson, do Rio de Janeiro.

Frase do mês

“Não é possível amar o próximo como a si mesmo e perseverar nesta atitude sem a firme e constante determinação de empenhar-se em prol do bem de todos e de cada um, porque todos nós somos verdadeiramente responsáveis por todos”

Papa João Paulo II – Sollicitudo rei socialis. 38: AAS 80 (1988) 565 – 566.

Palavra do leitor

Estamos chegando ao final de mais um ano que foi cheio de trabalhos e de graças de Deus.

Agradecemos ao Senhor por ter nos possibilitado iniciar este apostolado de comunicação em nossa paróquia e somos gratos a você, paroquiano, que rezou conosco e que contribuiu com incentivos e com a divulgação deste informativo que nasceu e se desenvolve sob o olhar de Nossa Senhora. Agradecemos aos patrocinadores! E comunicamos a você que, a partir do próximo mês, teremos mais um colaborador fixo: o jovem Cláudio Rocha, membro do grupo de jovens Rainha dos Apóstolos e estudante de jornalismo. Reze também por ele para que, iluminado por Cristo, possa realizar uma boa obra nesta pastoral. Vale lembrar que contamos sempre com que você faça em sua casa a oração que publicamos nas várias edições pelo HARMNIA EXTRA.

Aproveitamos a oportunidade para lhe desejar um excelente ano de 2009, quando, com o seu renovado apoio, esperamos continuar melhorando nosso informativo e divulgar novos espaços. Deus abençoe a todos, Feliz Natal e Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.


Anselmo Cabral e Flávio Brito

Presente de Natal



Entrevista com Ivanildo




Músico há 18 anos e sempre atuante em missas dominicais da Paróquia Bom Jesus do Arraial, Ivanildo Gonçalves lança seu disco de músicas religiosas e, nesta edição de Natal, nos fala de seu trabalho que realiza como verdadeiro apostolado por meio da arte de cantar para ajudar as pessoas a entrar em clima de oração e ficarem mais pertinho de Deus.







H.E.- Quando e de que maneira sentiu despertar em você este gosto pela música?



Ivanildo- Existe um programa chamado Som Brasil. Eu admirava muito as pessoas que se apresentavam para tocar e cantar, então comprei um violão e tive até a felicidade de estudar no Conservatório de Música de Pernambuco.

H.E. - A música religiosa católica tem alcançado grande aceitação no Brasil. Na sua opinião qual a importância deste fato?



Ivanildo – A tendência é levar para o ambiente familiar, músicas que falam de amor, paz e principalmente de Jesus, o nosso Salvador. Os cantores populares falam de violência, de bebias e drogas, de duplos sentido e sexo na adolescência.

H.E.- Na sua carreira de músico, em quais momentos você destacaria a presença mais sensível de Deus confirmando este seu apostolado?



Ivanildo – Cantar em uma Igreja ou capela, ou mesmo em um grupo de oração. Me sinto um evangelizador de Deus através da música.

H.E. - Fale-nos um pouco do seu disco:



Ivanildo – PELOS OLHOS DA FÉ é o título do cd. As músicas e as letras são todas de minha autoria. Uso uma linguagem simples e atual. Recebi vários elogios de pessoas que adquiriram o cd.

H.E. - Há, no seu disco, alguma música que você colocaria como destaque por algum motivo? Por quê?



Ivanildo A faixa número seis: “Entre todas foste tu a escolhida e o verbo se fez carne e habitou entre nós” Fala de Maria, a nossa mãe, aquela que disse Sim!

H.E. - Na escolha do seu repertório, você procura dar mais ênfase às canções de cunho mais social ou mais estritamente religiosas? Por quê?



Ivanildo – Foi através de um seminário de vida que me surgiu essa oportunidade de compor as letras. S músicas em si falam de uma realidade que vivemos hoje, tanto na vida social quanto na religiosa.

H.E. - Qual sua mensagem final aos nossos leitores?



Ivanildo – Já que estamos no final de mais um ano, quero desejar a todos paz, prosperidade, um bom natal e um ano cheio de realizações com nossos familiares e amigos e que o amor de Cristo esteja sempre em nossos corações, hoje e sempre, em nossa caminhada rumo ao Pai.



O informativo paroquial Harmonia extra agradece ao Ivanildo pela gentileza de nos conceder esta entrevista.



Serviço:
CD: PELOS OLHOS DA FÉ
Onde se pode comprar:
Na secretaria da Igreja Nossa Senhora das Graças
ou com o próprio Ivanildo, pessoalmente ou no telefone 88614998


Preço: R$12,00

O Verbo visível, no corpo de Cristo

“A Igreja sempre reconheceu que, no corpo de Jesus, Deus, que por natureza é invisível, se tornou visível aos nossos olhos. Com efeito, as particularidades individuais do corpo de Cristo exprimem a pessoa divina do Filho de Deus. Este fez seus os traços de seu corpo humano a ponto de, pintados em uma imagem sagrada, poderem ser venerados, pois o crente que venera a sua imagem, venera nela a pessoa que está pintada.”

CIC – Catecismo da Igreja Católica
No. 477

Ano Paulino

Reflexão sobre São Paulo

“Por que o Apóstolo Paulo é tão importante? Por que realizou tantas obras maravilhosas? Pó que sua doutrina, seu apostolado, sua missão na Igreja de Cristo são cada vez mais conhecidos, admirados e celebrados? Ele é um desses santos que rejuvenescem, dominam, conquistam sempre mais. Por quê? Devemos procurar a resposta em sua vida interior. Aqui reside o segredo. Os balões inflados, grandes, num dia desaparecem, esvaziam-se. Quando, porém, há riqueza, verdadeira doutrina, quando há verdadeiros méritos, verdadeira vida interior, então há o germe. A planta fica escondida durante algum tempo, porque tudo ainda está encerrado num embrião, debaixo da terra. Mas quando o embrião se desenvolve, nasce então, a plantinha, que depois cresce e enfim se torna uma árvore grande e robusta. Pois bem, o apóstolo Paulo tinha uma grande vida interior.

Todo o segredo da grandeza de são Paulo está na vida interior. Ele venceu, podemos afirmá-lo, a partir de seu interior: seu grande espírito de pobreza, seu estudo, sua ciência tão profunda, seu amor a Cristo, seu espírito de mortificação. É inútil pedir a são Paulo graças que façam de nós heróis diante dos homens. Peçamos, antes de tudo, as graças que nos tornem queridos a Deus, e depois então, as graças que fazem de nós apóstolos no mundo.”.

Pensamentos de Pe. Tiago Alberione
Edições Paulinas, 1979



“Quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou o seu Filho. Ele nasceu de uma mulher. Submetido à lei para resgatar aqueles que estavam sujeitos á lei, a fim de que fôssemos
adotados como filhos.”

Gl 4, 4-5
Carta de são Paulo Apóstolo aos gálatas
Capítulo 4, versículos 4 a 5.

Conheça o hot-site do Ano Paulino:
www.paulinos.org.br/anopaulino
e participe do concurso de frases sobre são Paulo!

Deus Contente


Por: Anselmo Cabral

Importa que o mundo inteiro
Encontre o segredo e a luz,
Desperte do sono e do medo
E ache o menino Jesus.

Importa que a caminhada
Rumo à gruta de Belém
Seja firme e realizada
Na certeza do mundo que vem.

Pois é Natal de novo
E tudo é bonito no amor.
Seja verdade que o povo
Leve na alma uma flor.

E o amor que se irradia
Transforme a realidade.
Seja Natal em todo o tempo
Como é Natal na eternidade.

Importa que a vida reluza
Na imagem do menino Deus
E a Estrela-Dalva nos conduza
Por caminhos santos e seus.

Importa que todas as pessoas
Descubram a antiga novidade
Que sendo justas e sendo boas
Construirão a felicidade.

E seja Natal nos corações
Nos lares e mesas da minha gente.
E nesta noite as orações
Deixem meu Deus muito contente.

Mistério de Amor

Colaboração do seminarista José Carlos


Encarnacao de Nosso Senhor Jesus Cristo. É Natal do Senhor. Eis o mistério do Deus que se fazendo filho do homem, fez com que o homem se tornasse filho de Deus, pela cruz e pelo batismo. Ele veio habitar no meio de nós para nos trazer a salvação.

Depois de reconhecer o dogma da Trindade (Deus que é um só, em três Pessoas - Pai, Filho e Espírito Santo), eis o segundo maior mistério de nossa fé.

Por isso que o nascimento do Senhor nunca é um fato isolado no conjunto de nossa fé: ela está numa essencial relação com a Páscoa (passagem da vida para a morte, e da morte para a ressurreição) do Senhor. Por isso que no tempo da Igreja, o Ano Litúrgico, a festa natalina é a solenidade mais importante depois da Páscoa. Isso é fácil de entender. Para que Jesus nasceu? Para nos salvar. E como nos salvou? Pelo sacrifício da cruz na sexta-feira santa. Logo, é a Páscoa o centro da liturgia, é a Semana Santa o momento cume da vida da Igreja, que relembra e revive os últimos momentos de Jesus e testemunha a sua vitória sobre a morte e a sua verdadeira e real Ressurreição entre nós.

No plano de Deus traçado antes mesmo do tempo ter um início, o Verbo de Deus, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, vem ao mundo, e assume a humanidade em seu corpo santo, e pelo poder do Espírito Santo nasce de uma virgem, numa noite fria de inverno, ao relento, deitado sobre uma manjedoura - que é o comedouro dos animais - dentro de uma estribaria (pois não permitiram sua entrada nas pousadas e nas casas, eram tão pobres que não tinham dinheiro para pagar algum quarto nas pousadas da pequena Belém, vizinha de Jerusalém, lugar de sua morte. Belém e Jerusalém partilham, assim, de um triste destino: são más anfitriãs na festa da vida de Deus no mundo.

O mundo também hoje parece tanto com Belém: tão abençoada, mas tão distraída; tão destruída pela falta de caridade, de acolher os pequeninos, os pobres famintos, sem teto, sem chão, sem pão, sem anel nos dedos, sem emprego, diplomas e títulos honorários. Tantos de nós ainda não compreendemos o preço de uma vida humana e, contraditoriamente, tentamos convencer a outros de que valemos muito, e somos melhores que qualquer um.

É por isso que hoje faz-se sumamente necessário reconhecer mais que um ser frágil, belo e amável naquele recém-nascido. Jesus não é só um bom homem, um homem santo, um herói, uma inspiração para boas ações humanas. Jesus Cristo, acima e antes de tudo é Deus. É nosso único e verdadeiro Deus, e pelo Natal, por sua Encarnação é homem verdadeiro: é o “Emanuel” é o Deus-conosco”, sofrendo as nossas dores e nos ensinando a sermos melhores seres humanos.