A n o p a u l i n o


P a u l o e s u a t e o l o g i a m i s s i o n á r i a


- s í n t e s e -

O mistério de Cristo que Paulo procura sondar agora está diante de nós em todas as suas dimensões (Ef 3,13). Na sua largura estende-se a todos os pontos do universo, a todas as almas, a todos os segredos dos corações, a todas as liberdades. No seu comprimento abrange todos os tempos, desde o início da criação até o fim do mundo, a eternidade. “Jesus Cristo ontem, hoje e nos séculos” (Hb 13,8)alcança as profundezas dos abismos do mal e se eleva até Deus para dar-lhe aquela glória perfeita que lhe pertence por direito.


O que mais impressiona nas considerações de Paulo é o aspecto universal no qual convergem todos os elementos da cristologia. Sendo Deus, Cristo é o princípio que dá origem a tudo; sendo homem é o centro no qual tudo se cumpre; sendo ressuscitado é o centro para o qual tudo converge. ‘Sua estatura é a do universo’ (R. Guardini). Paulo é arrebatado na contemplação desta síntese. Aqui ele encontra a prova daquela caridade que supera todo conhecimento (Ef 3,19) e que alcança todos, especialmente os mais afastados, os mais necessitados.

Considerando esta doutrina, Paulo sente-se mais animado no seu apostolado, em particular, pela identidade de vida estabelecida entre ele e Cristo (Já não sou eu quem vivo, pois é Cristo que vive em mim).

Cf W. Guardini. Catolicidade e Unidade em São Paulo.Ed. Paulinas.

Comentários