terça-feira, 18 de agosto de 2009

Dom Fernando Saburido: O novo arcebispo de Olinda e Recife


Escolhido pelo papa Bento XVI para ser o novo arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Antonio Fernando Saburido (62 anos), é pernambucano, nascido no município de Jussaral, cidade do Cabo de Santo Agostinho e membro da Ordem de São Bento onde foi ordenado sacerdote em 17 de dezembro de 1983. Dom Fernando foi vigário geral e coordenador pastoral da arquidiocese de Olinda e Recife, sendo nomeado pelo papa João Paulo II, em 2000, para ser bispo auxiliar de Dom José Cardoso.

Bispo da diocese de Sobral, no Ceará, desde 2005, D. Fernando afirmou que, ao assumir, sua primeira ação será “realizar Assembléias com o povo e com o clero para ver as prioridades”, já que está afastado de Pernambuco há quatro anos.

A posse de Dom Fernando Saburido está marcada para o próximo dia 16 de agosto, mesmo dia em que é comemorada a Assunção de Nossa Senhora. Segundo o novo arcebispo, o povo pode esperar da sua pessoa “um pastor que vai querer conversar, dialogar.” Dom Fernando afirma que deseja uma Igreja ministerial onde cada pessoa possa assumir um papel importante na caminhada.

Seja bem vindo, Dom Fernando Saburido!

Coluna Mariana

Maria, Mãe da Igreja

15 de agosto : o dia em que Maria foi elevada ao céu. Acreditamos que ela “foi elevada à glória celeste em corpo e alma”, “terminado o curso de sua vida terrena” (Lumen Gentiun 59). Na visão de Deus, já possui plenamente a vida que nos está destinada. (cf. CIC – Catecismo da Igreja Católica No. 966).

Prestigie a hora da Ave Maria
Sintonize a rádio Recife FM - 97,5 às 18horas

Neste ANO SACERDOTAL

Convocado pelo papa Bento XVI para celebrar os 150 anos de morte de são João Maria Vianney, o Cura D’Ars, padroeiro dos padres, peçamos a Nossa Senhora pela santificação dos sacerdotes e pelo aumento das vocações sacerdotais.

Festa do Bom Jesus do Arraial


Programação

Dia 21 de agosto - sexta feira
Tema: Só Deus é bom
Noiteiro: Coral Bom Jesus e funcionários

Dia 22 de agosto - sábado
Tema: Ocupar-se das coisas do Pai
Noiteiro: Legião de Maria

Dia 23 de agosto - domingo
Tema: Tornou-se igual a nós
Noiteiro: Vicentinos e Voluntárias da caridade

Dia 24 de agosto - segunda
Tema: Alimentar-seda vontade da vontade do Pai
Noiteiro: Liturgia e música
Dia 25 de agosto - terça feira
Tema: Se conhecesses o dom de Deus
Noiteiro: Renovação Carismática

Dia 26 de agosto - quarta feira
Tema: Seja feita a vossa vontade
Noiteiro: Cursos irmã Hilda e Vidas em ascensão

Dia 27 de agosto - quinta feira
Tema: Cheio de compaixão
Noiteiro: Ministros da Eucaristia e coroinhas

Dia 28 de agosto - sexta feira
Tema: Manso e humilde de coração
Noiteiro: Apostolado da oração

Dia 29 de agosto - sábado
Tema: Sois meus amigos, pois vos dou a conhecer o Pai
Noiteiro: Terço dos homens

Dia 30 de agosto - domingo
Tema: Jesus,Mestre e Sacerdote.
Noiteiro: Catequese, PASCOM, Grupo de Jovens e Crisma

Louvado seja
o Senhor Bom Jesusdo Arraial!!



Todos os dias haverá oração da novena ao Bom Jesus às 18:30hs. E nos domingos 16:30hs. Todos os dias após a Missa haverá eventos festivos e comunitários: apresentações culturais, bingos, rifas, seresta e exposições e feira das Pastorais, Movimentos e Grupos da Paróquia. Padres já confirmados: Pe. Amaurilio Machado (Vasco da Gama), Pe. Mario Bezerra (Mangabeira), Pe. Adriano Chagas (Boa Viagem), Pe. Deonilson Nogueira (Santuário Mãe Rainha) Pe. Anistaine (Morro da Conceição) e Pe. Edvaldo (Casa Forte).

Entrevista com Padre Anistaine


ORDENADO RECENTEMENTE,

Padre Anistaine fala sobre sua vocação
e sobre seus ideais de sacerdote.


HE- Padre Anistaine, conte-nos um pouco de sua história vocacional.


Padre Anistaine- Desde garoto já havia despertado o “desejo’ de ser padre, mas depois dos doze anos esse “desejo” passou, outros sonhos surgiram, enfim, a vocação “adormeceu”. Certo dia fui convidado para participar de um retiro de carnaval em 1998, Neste retiro Cristo colocou novamente em meu peito uma brasa e uma flecha na alma. Comecei os encontros vocacionais no ano seguinte.Em 2001 fui admitido como postulante na Ordem Franciscana (OFM), mas optei pela Arquidiocese de Olinda e Recife. Larguei o meu emprego e, em fevereiro, dia 13/02/2002 comecei o propedêutico, mais dois anos de Filosofia e quatro de Teologia. Fui ordenado diácono em 27/12/2008. e padre no dia 25/03/2009.

HE- O que é ser um sacerdote colaborador e qual o significado, para o senhor, de exercer esse serviço em nossa paróquia?


Padre Anistaine- Colaborador, a palavra já diz: colaborar. Colocar-se à disposição da paróquia para dar uma assistência pastoral. Exercer uma função na Paróquia Nossa Senhora da Conceição e na Paróquia Bom Jesus do Arraial é uma graça de Deus, pois dessa forma, vigário paroquial, ajudo a escrever um pouco da história das duas paróquias.


HE- Estamos no ANO CATEQUÉTICO NACIONAL. Já queacatequese é importante para uma contínua formação cristã durante toda a nossa vida, que sugestões o senhor daria para que possamos vivenciar com proveito esta proposta da CNBB?


Padre Anistaine- A catequese: A cada ano que passa percebemos a importância de uma formação clara e intensa para a catequese e não pode ser diferente pois a carência é muito grande. As pessoas precisam de um encontro pessoal com Cristo e a catequese, quando bem estruturada e desempenhada produz inúmeros frutos. Devemos, pois, oferecer capacitação para os catequistas, apresentar as riquezas das diretrizes que a Igreja oferece, e colher os frutos.

HE- Quando abraçamos uma opção de vida, então geralmente temos um ideal, uma meta, um perfil pessoal de como vamos realiza-la a partir de nossos próprios sonhos e experiências. Qual o seu ideal como padre?


Padre Anistaine- A santidade deve ser a nossa meta. Antes de ser padre tinha a obrigação de dar testemunho no mundo (cristão) e caminhar para o céu. Hoje, como padre, tenho que ser testemunho para o mundo, caminhar para o céu conduzindo o rebanho que me foi confiado.

Catequese e vida da Igreja

O Catecismo da Igreja Católica e seu compêndio

Texto produzido a partir de informações próprias das apresentações dos dois documentos escritos pelos santos padres João Paulo II e Bento XVI


O Catecismo da Igreja Católica, preparado por um Conselho composto por membros de diversos dicastérios da Sé apostólica presidido pelo então cardeal Joseph Ratzinger, atual papa Bento XVI, foi aprovado e publicado pelo papa João Paulo II em 1996 .

Este documento apresentou-se á Igreja como uma exposição genuína e sistemática da fé e da doutrina católica, apresentando o anúncio cristão por meio de um texto plenamente seguro a todas as pessoas do tempo presente. Segundo o papa João Paulo II, "os professores de catequese terão neste volume uma ajuda sólida com a qual poderão comunicar, na Igreja local, o único e perpétuo depósito da fé, procurando conjugar, com o auxílio do Espírito Santo a admirável unidade do mistério cristão com as múltiplas necessidades e condições de vida daqueles aos quais é destinado o anúncio”. Ainda segundo João Paulo II, o texto do catecismo é uma exposição da fé da Igreja e da doutrina católica testemunhadas ou iluminadas pela Sagrada Escritura, pela Tradição Apostólica e pelo Magistério da Igreja.


O objetivo do Catecismo é apresentar uma exposição orgânica e sintética dos conteúdos essenciais e fundamentais da doutrina católica tanto sobre a fé como sobre a moral , à luz do Concílio Vaticano II e o conjunto da tradição da Igreja. O Catecismo é destinado principalmente aos responsáveis pela catequese, em primeiro lugar aos Bispos e por meio dos Bispos ele se destina aos redatores de catecismos, aos presbíteros e aos catequistas e útil para a leitura de todos os fiéis cristãos.



Em suma o Catecismo está dividido em quatro partes: 1. A profissão da fé: expondo aos que professam a fé cristã em que consiste a Revelação por meio da qual Deus se dirige e se doa aos homens e mulheres; 2. Os sacramentos da fé: Expõe como a Salvação de Deus se realiza de uma vez por todas em Cristo e seu Espírito Santo tornando-se presentes nas ações sagradas da liturgia da Igreja.; 3. A vida da fé: Apresenta o fim último do homem criado à imagem de Deus: a bem- aventurança e os caminhos para chegar a ela, mediante um agir reto e livre com a ajuda da fé e da graça de Deus, e 4. A oração da vida da fé: trata do sentido e da importância da oração na vida dos crentes.

O compêndio aprovado e apresentado á Igreja no ano de 2005 pelo papa Bento XVI, é uma síntese fiel e segura do catecismo da Igreja Católica, contém de forma concisa todos os elementos essenciais e fundamentais da fé da Igreja, é uma espécie de vademecum que dá a possibilidade de as pessoas crentes e não crentes de abarcarem numa visão de conjunto, o panorama inteiro da fé católica. Pela sua brevidade, clareza e integridade dirige-se a cada pessoa que, vivendo num mundo dispersivo e de mensagens múltiplas, deseja conhecer o Caminho da Vida, a Verdade confiada por Deus à Igreja do seu Filho. O gênero dialógico (com que é organizado, em perguntas e respostas) ajuda também a abreviar notavelmente o texto reduzindo-o ao essencial.

Festa de Sant´ana

A novena em honra de sant’Ana em nossa paróquia ´é uma iniciativa de Pe. Lenine e das senhoras Arlinda e Pedrina Rocha, que desde 2001, realizam com os devotos da paróquia estes dias de oração á mãe da Virgem Maria. Neste ano de 2009 a novena teve início no dia 17 de julho, passando pelas casas das seguintes paroquianas: 1º. dia: Dona Janete de Lima; 2º. Dia: Dona Adma Salomão; 3º. Dia: Dona Lourdes Rangel; 4º.dia: as irmãs Rosa e Ilza; 5º. Dia: Dona Lourdes Rodrigues; 6º. Dia: Dona Nalva; 7º. Dia: Dona Ana Karina; 8º. Dia Dona Pedrina Rocha e no último dia da novena o andor da procissão saiu da casa de Dona Isabel Calado, na rua Oscar Pinto, às 18h.


No encerramento, sábado 25, a novena e o terço de Sant’Ana foram rezados logo depois da emocionante chegada da procissão na paróquia.

25 de julho, dia de santa Ana e são Joaquim é também o dia dos avós.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A Feiura do Preconceito

Por Anselmo Cabral

Qualquer pessoa que se considera cristã conhece, ou deve conhecer, o maior mandamento, aquele no qual Jesus concentrou toda a sabedoria das escrituras: ‘Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo’. É importante pensar sempre sobre este aspecto da Palavra sobre o qual deveremos um dia ser julgados: a lei do amor. Em nossa vida cristã, corremos o risco de ouvir várias vezes a Palavra de Deus a ponto de nos acostumarmos tanto a ela sem deixar que ela nos inquiete, nos incomode, nos leve a uma reflexão verdadeira e pessoal.

Amar ao próximo como a si mesmo, significa usar com as outras pessoas a mesma misericórdia que usamos com nossas próprias fraquezas e procurar olhar os irmãos e irmãs com olhar de bondade e misericórdia, como Jesus olha para todos nós.

É curioso como, em não poucas situações, percebemos que nos confessamos cristãos, seguidores e imitadores do meigo e santo Jesus, que procura compreender, amar e perdoar, mas nem sempre nossa prática está basicamente comprometida com a postura do nosso Mestre. Quantas vezes nos deixamos contagiar com a tentação de julgar as pessoas e de tratá-las não como Jesus quer que nos tratemos (com amor e fraternidade), e sequer nos aproximamos delas, ou se o fazemos, já nos achegamos usando os óculos com a lente do preconceito, vendo o irmão ou a irmã com a visão distorcida por um conjunto de “valores” que nos impede de ver a pessoa como ela de fato é: santa e pecadora,como eu e você também somos.

O preconceito e, pior ainda, a discriminação, não nos faz melhores que os outros. Pelo contrário, trata-se de um contra-testemunho de nossa própria fé, já que quando geramos a discórdia, estamos certamente quebrando a unidade, destruindo a comunhão e realizando um contra-serviço à causa do Reino. Já vi pessoas em situações de necessidade, precisando de ajuda, de carinho, de força, de amizade e de solidariedade, pessoas em momentos de dificuldade na vida ficarem praticamente sozinhas e tendo o peso do seu sofrimento aumentado pela solidão, porque outros, ditos e tidos como cristãos, se afastaram delas para não serem vistos a seu lado e assim terem sua dignidade abalada. Mas também já vi gente corajosa, gente que chegou perto, que abraçou, que viu no outro o Cristo sofredor e se aproximou para ajudar mesmo que com isso pudesse também ser alvo de críticas. Jesus fez e ainda faria a mesma coisa.
Em nossa vida de cristãos, devemos ser como bons samaritanos. Aqueles que mais sofrem pelo preconceito são os que mais precisam de nós (que queremos ser presença de Cristo no mundo).

Cristãos, que somos, devemos lembrar que o coração de Jesus realizou os atos mais bonitos justamente com aqueles a quem a sociedade de seu tempo já tinha julgado e condenado. Não fazer como Jesus fez pode nos afastar da prática cristã e nos revelar, ao contrário, meros fariseus.

Oração pelo Informativo paroquial - Harmonia Extra

Ó doce virgem Maria, vós que amais todas as iniciativas de evangelização e de participação fraterna na Igreja do vosso Filho e Nosso Senhor Jesus Cristo, abençoai o nosso informativo paroquial Harmonia Extra, para que seja instrumento de amor e de partilha e para que possa desenvolver, sob o vosso olhar de mãe, um abençoado serviço de Comunicação Pastoral na nossa paróquia. Olhai e inspirai com amor a todos nós, paroquianos e membros dos movimentos desta Paróquia Bom Jesus do Arraial. Acompanhai-nos com a vossa luz,
iluminai e protegei o nosso pastor: padre Josivan Sales.

Amém

Deus provê, Deus proverá, sua misericórdia não faltará!
Pai Nosso, Ave Maria e Glória.