quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Por que Igreja celebra o Dia de Finados?

A COMUNHÃO COM OS FALECIDOS

Reconhecendo cabalmente a comunhão de todo o corpo místico de Jesus Cristo, a Igreja terrestre, desde os tempos primevos da religião cristã, venerou com grande piedade a memória dos defuntos (...) e, ‘já que é um pensamento santo e salutar rezar pelos defuntos para que sejam perdoados de seus pecados’ (2Mc 12,46), também ofereceu sufrágios em favor deles’. Nossa oração por eles pode não somente ajudá-los, mas também tornar eficaz sua intercessão por nós. (CIC 958).

Em virtude da “comunhão dos santos”, a Igreja recomenda os defuntos à misericórdia de Deus e oferece em favor deles sufrágios, principalmente o santo sacrifício eucarístico. (CIC 1055)

Entrevista com Anselomo Cabral - Membro da Pascom Harmonia Extra


Participou do Primeiro Encontro Nacional dos Cooperadores Paulinos para o Evangelhoe nos fala sobre a importância deste encontro para a pastoral da comunicação...


HE- Anselmo, quem são os Cooperadores Paulinos para o Evangelho?

Anselmo– Todos nós conhecemos e, de algum modo, direto ou indireto, já tomamos contato com o apostolado da família paulina, composta pelos padres, irmãos e irmãs paulinas (que produzem edições católicas e outras mídias de evangelização) e também pelas Discípulas do Divino Mestre que exercem na Igreja o apostolado litúrgico. Os Cooperadores Paulinos fazem parte de uma associação de pessoas fiéis leigas que querem cooperar para que a missão da família paulina possa chegar a um número cada vez maior de pessoas, por acreditarem que este apostolado da comunicação é capaz de fazer Jesus Cristo mais conhecido, seguido e amado.

HE- Onde aconteceu, quem foram as pessoas que participaram e o que foi comunicado neste Primeiro Encontro dos Cooperadores Paulinos para o Evangelho?

Anselmo- O encontro aconteceu na Casa de Oração das Irmãs Paulinas, em São Paulo entre os dias 10 e 12 de outubro de 2009. Estiveram presentes mais de noventa pessoas de todas as regiões do Brasil. Nestes dias as irmãs ministram palestras sobre o carisma e a espiritualidade da Família Paulina, deixando claro que é a oração e a consagração a Jesus Cristo Mestre, Caminho, Verdade e Vida quem sustenta e dá vida e sentido ao apostolado das edições. Ainda tivemos momentos de retiro, de convivência fraterna e um importante momento de visita ao parque gráfico da editora paulinas onde são produzidos os livros que podemos encontrar nas livrarias das irmãs.

HE- Qual a importância de sua participação neste encontro para seu trabalho na Pastoral da Comunicação em nossa paróquia?

Anselmo- As irmãs paulinas têm o que nós podemos chamar de know-how, ou seja, sua congregação tem 90 anos de experiência em comunicação cristã de excelente qualidade reconhecida por todos, católicos e não-católicos. Nós estamos apenas iniciando uma pastoral da comunicação em nossa paróquia que já se inicia com vocação para o serviço, a fraternidade e o crescimento. Estar presente neste encontro, para nós, significa um momento de grande significado: humildade para aprendermos comunicação católica com pessoas que sabem fazê-la e sabedoria para dar início à nossa pastoral sob a bênção e o apoio de são Paulo, o apóstolo que soube fazer comunicação cristã com os meios de que dispunha em seu tempo e em seu mundo. Hoje, assim como a família paulina, nós da Pastoral da Comunicação Harmonia Extra também queremos evangelizar e animar a comunidade, seguindo o exemplo de são Paulo Apóstolo.

HE- Qual o resultado concreto de sua participação no Primeiro Encontro dos Cooperadores Paulinos para o Evangelho?

Anselmo- Estar em contato com pessoas que lidam com comunicação pastoral nas mais diferentes realidades do país já é uma experiência enriquecedora, conhecer a espiritualidade paulina em comunhão com estes evangelizadores leigos de todo o Brasil é um outro importante diferencial para quem sabe que não pode confiar nas próprias forças para fazer um trabalho que é todo de Deus. E ainda mais: Observar o modo de fazer as coisas das irmãs, com seriedade, competência, profissionalismo, espiritualidade, humanismo e tamanha simpatia nos faz entender o quanto devemos estar atentos para os constantes e sempre necessários aprendizados e esforços para fazer avançar a nossa missão de anunciar Jesus Cristo no contexto paroquial.

A SOCIEDADE E O (DES)RESPEITO AOS IDOSOS

Priscila Krause*

A sabedoria que só a idade traz ainda é pouco valorizada em nossa sociedade. Hoje em dia, o culto à juventude tende a fazer com que pessoas de mais de 60 anos sejam tidas como cidadãos de segunda – quiçá terceira – categoria. Uma aberração, tendo em vista que é na curva da maturidade para a velhice que a pessoa atinge a plenitude intelectual e, do alto de uma vida inteira, distingue o certo do errado, o bom do ruim, o verdadeiro do falso. Nada além da idade pode fazer isso a um ser humano.

E que sociedade é essa que negligencia justamente aqueles que poderiam guiá-la? É uma sociedade doente, que não percebe que o idoso tem direito não só a tratamento digno no dia-a-dia mas também a um reconhecimento por tudo que produziu, pela experiência e sabedoria que acumulou ao longo dos anos.

O fato de ser jovem não me fecha os olhos para essa obviedade, muito pelo contrário: me torna cada vez mais consciente do muito que tenho a aprender com as pessoas que já trilharam um caminho muito mais longo que o meu. Por isso mesmo entendo que resgatar a dignidade do idoso, principalmente para que seu dia-a-dia seja mais tranqüilo e menos atribulado, é uma tarefa a ser defendida por aqueles que acreditam em uma sociedade melhor.

Encaminhei à Câmara de Vereadores do Recife um projeto de lei que prevê a prioridade de atendimento para os idosos – bem como portadores de deficiência ou de doenças graves – em processos e demais procedimentos administrativos que estejam em tramitação na esfera municipal. Uma iniciativa que visa fazer justiça a quem merece atendimento especial em praticamente todos os estabelecimentos, mas que ainda têm suas pendências “emperradas” quando se trata da administração municipal. Trocando em miúdos, a medida é uma extensão de um benefício que já existe no âmbito federal para funcionários públicos.

É uma medida simples e que, sendo aprovada, vai virar lei municipal que beneficiará as pessoas com mais de 60 anos. Uma iniciativa de quem tem plena consciência do valor que tem uma vida repleta de realizações.

Priscila Krause é jornalista e vereadora do Recife pelo DEM
www.blogdepriscila.com.br

Grupo leva alegria no Dia das Crianças

O grupo de crianças “Anjos de Maria” lançou a campanha “Dia das Crianças Solidário” no qual arrecadaram roupas, brinquedos e bombons para a creche Creuza Cavalcanti, que atende 108 crianças de zero a cinco anos e fica localizada na Rua Conselheiro Nabuco, s/n, após a escola Dom Vital, no bairro de Casa Amarela.

Vários paroquianos se sensibilizaram com a campanha e também ajudaram a fazer o Dia das Crianças mais alegre. As doações foram um sucesso, brinquedos novos e usados em perfeitas condições foram embalados pela equipe organizadora e entregues com muita emoção a cada criança que recebeu neste dia não somente presente, mas muita alegria e felicidade.

Silvio e o seminarista José Carlos se fantasiaram de palhaços junto com Dayany que se fantasiou de boneca e demonstraram carinho e evangelização na condução das brincadeiras. Segundo os organizadores, o dia 09 de outubro ficará eternamente marcado em seus corações.

Além da creche Creuza Cavalcanti, o Cervac (Centro de Reabilitação e Valorização da Criança) que fica no Morro da Conceição e a creche Tancredo Neves em Olinda foram beneficiados com os brinquedos. Foram arrecadados 550 brinquedos e entregues às entidades.


Faça a sua doação:

Cervac – 3268-8527
Creche Tancredo Neves – 3493-3813


Queremos agradecer a todos os paroquianos que contribuíram com o Dia das Crianças e comunicar que o grupo fará uma nova campanha para o Natal. Informações com Dayany e Rosângela todos os domingos às 9h.

Mais fotos deste evento: www.vibeflog.com/igrejadaharmonia

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Paróquia realiza reunião sobre Segurança no bairro de Casa Amarela


Na quinta-feira, dia 01 de outubro, aconteceu no salão paroquial da igreja Bom Jesus do Arraial, uma reunião com os representantes da Polícia Militar de Pernambuco sobre a falta de segurança que vem ocorrendo no bairro de Casa Amarela. Estiveram presentes na mesa, o padre Josivan Sales, o gerente da SDS (Secretaria de Defesa Social) Ary Siqueira, Major Hailton, gerente da CTTU Jorge Lima, delegado de Casa Amarela Gilmar Rodrigues e o Tenente Fernando que é responsável pela patrulha na área. Estiveram presentes na platéia, além da comunidade, diversas ONGs e a deputa Elena Carreiro que participaram da reunião onde puderam fazer críticas e perguntas as autoridades militares.

O Professor Sérgio Carvalho, diretor da escola estadual Governador Carlos de Lima Cavalcanti, iniciou a reunião falando sobre o fórum SOS Casa Amarela, que nasceu da necessidade de moradores de tentar congregar pessoas para debater e conseguir melhorias em termos de segurança para o bairro. O SOS que já existe há dois anos e meio tem realizado vários fóruns na escola Carlos de Lima e na --- as irmãs salesianas com representantes de vários grupos a fim de diminuir o problema da violência no bairro e apontar melhorias.

O gerente da Secretaria de Defesa Social, Ary Siqueira, afirmou que é lamentável a situação da violência no estado e que a SDS e o Governo do Estado estão trabalhando para amenizar essas questões. O gerente também pediu que as pessoas acreditassem, colaborassem mais com a polícia e não tenham receio de denunciar essas pessoas que agem de má fé com a sociedade. Para que o órgão possa agir de forma mais rápida na detenção dos infratores.

O Major Hailton, que é comandante responsável pelo 13° Batalhão, apontou algumas estatísticas em relação aos homicídios que vinha ocorrendo no bairro de Casa Amarela, ele afirmou que no bairro até setembro foram registrados 15 homicídios em 2008, esse ano quatro foram registrados, e até setembro de 2008 foi reduzido para 42% o registro de roubo com base em registro de dados. Com a chegada de novos policiais, o bairro foi contemplado com a ampliação de patrulhas na Rua Padre Lemos, na Estrada do Arraial e nas proximidades do Sítio da Trindade.

O Delegado Gilmar Rodrigues falou sobre os arrombamentos que aconteceram recentemente no bairro e apreensão do grupo e pediu para a população ajudasse a prender esses bandidos que atormentam o bairro, basta ligar e denunciar, mas se isso não acontecer o delinqüente irá continuar agindo. “Ou a gente dá às mãos e trabalha junto, polícia e comunidade, ou não terá resultado”, afirmou o delegado de Casa Amarela. Ele também deixou o número de contato para que a comunidade pudesse entrar em contato direto com ele.

Jorge Lima, Gerente da CTTU, também conversou um pouco sobre o trânsito, falando que a companhia trabalha em função de solicitações e que a diretoria está sempre aberta para as solicitações da comunidade. Onde cada sugestão será analisada para melhorar o tráfego.

Após ouvir os representantes da Polícia Militar, o microfone foi aberto para a comunidade, que criticou a segurança no Estado e fez perguntas sobre o atual problema. Onde o gerente da SDS, Ary Siqueira, afirmou que irá analisar cada ponto citado e no prazo de uma semana irá reavaliar os pontos mais críticos e mapeá-los para fornecer a população mais segurança.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

CRIANÇA CIDADÃ TEM DIREITOS E DEVERES


Neste dia 12 de outubro todo o Brasil comemora o dia da criança. Não podemos esquecer a enorme riqueza que é esta fase da vida chamada infância e por isso mesmo cabe-nos não apenas comemorar, mas pensar um pouco mais carinhosamente sobre o tratamento que temos dado às nossas crianças, que hoje parecem tão asseguradas em seus direitos mas em não poucas situações pais e educadores não sabem exatamente até que ponto como esses mesmos direitos podem ser verdadeiramente garantidos.


Há quase vinte anos foi aprovado o Estatuto da Criança e do adolescente pela lei 8.069 de 13 de julho de 1990 que todos nós deveríamos conhecer de perto, pois se trata de um documento legal que deve nos instrumentalizar para o esforço pela garantia dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes no que diz respeito à vida, saúde, convivência familiar e comunitária, educação, informação, cultura, lazer, esportes, atendimento, medidas de proteção, à liberdade, e à dignidade e o acesso à justiça.


Considera-se criança, para os efeitos da lei, a pessoa até 12 anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre 12 e 18 anos. Como se vê pela idade, o próprio estatuto apresenta que os direitos assegurados referem- se às pessoas em desenvolvimento, por isso na interpretação dessa lei leva-se em conta os fins sociais aos quais ela se dirige, as exigências do bem comum, os direitos e deveres individuais e coletivos e a condição peculiar da criança e do adolescente. Assim, o ECA trata-se de um documento legal que pode ajudar a garantir que as crianças tenham respeitadas a sua cidadania.

4 de Outubro: Dia de São Francisco de Assis


Pequena cronologia

1182: nasce Francisco (Giovanni Bernardone)


1206: Conversão de Francisco – recusa os bens paternos e invocação ao crucifixo de San Damiano.


1210: Francisco vai a Roma com os 12 primeiros seguidores e recebe do Papa Inocêncio III a aprovação verbal para a primeira regra dos frades menores.


1223: Francisco redige uma nova regra aprovada pelo Papa Honório III (Regula Bullata)


1226: Morte de Francisco em Porciúncula.1228, 16 de julho – Francisco é canonizado pelo Papa Gregório IX.

Entrevista com Ir. Cristiane


M e m b r o d a c o n g r e g a ç ã o d a s IRMÃS PAULINAS q u e e v a n g e l i z a m c o m o s m e i o s d e c o m u n i c a ç ã o s o c i a l

Ir. Cristiane nos conta como pretendem
atuar na Bienal do Livro de Pernambuco, que acontece este mês no centro de Convenções.


HE- Neste mês em que a Bienal do livro de Pernambuco se apresenta como um forte momento de revigoramento cultural, como as Irmãs Paulinas no Recife entendem esta oportunidade de evangelização?


Ir. Cristiane- Como paulinas, temos dois grandes modelos: São Paulo, o apóstolo que foi ao encontro das multidões e o bem-aventurado Pe. Tiago Alberione, fundador da Família Paulina que, inspirado em Paulo nos deixou como carisma a missão de anunciar Jesus Mestre a todas as pessoas. Portanto, a Bienal é uma grande oportunidade de estar em contato com um grande número de pessoas através da nossa missão, e de falar de Deus das mais variadas formas que a cultura nos oferece.


HE- Numa Bienal do Livro, assim como pelos caminhos do mundo, muitas são as mensagens e propostas veiculadas através das diferentes possibilidades de leitura. Como apresentar a mensagem do Evangelho de modo atual e atraente num evento como este?

Ir. Cristiane- Este é um grande desafio: apresentar o Evangelho de forma atrativa em banalizar, ou seja, sem entrar na lógica capitalista, onde se inventam necessidades tendo como único objetivo vender. Não desejamos manipular a vontade das pessoas, mas testemunhar que os valores do Evangelho, presentes nos nossos produtos são essenciais para a vida. Alberione dizia: “nem sempre é possível falar de Deus, mas sempre é possível falar de tudo cristãmente”. Inspiradas nessas palavras buscamos apresentar o Evangelho de forma atraente, através de um bom livro, contando com a arte como grande aliada.


HE- Qual a importância de se valorizar o universo infanto-juvenil como estratégia de formar leitores cristãos aproveitando a Bienal?


Ir. Cristiane- Todos nós sabemos que é principalmente na infância que desenvolvemos o hábito pela leitura. E sabemos também que os Meios de Comunicação colocam ao alcance de todos, seja criança ou adulto,os mais variados tipos de leituras. Isso tem seu lado bom e seu lado perigoso. É dentro desse contexto que valorizar o universo infanto-juvenil ganha grande importância. Pois e conseguirmos desenvolver o hábito de ler unido ao olhar crítico que ajuda a discernir O que ler?, estamos preparando os novos leitores. E isso acreditamos que é possível fazer através de uma leitura saudável que fale dos valores cristãos numa linguagem apropriada para cada idade.


HE- Além da mídia impressa, outras formas de promoção da vida são possíveis no espaço da Bienal. De que meios, além dos livros, a Paulinas poderá uar para tornar seu stand um ambiente de comunicação cristã?


Ir. Cristiane- Vivemos hoje na era da imagem e do som, por isso, trabalhamos com a música, o filme, posters, inclusive a própria estética do stand e cada irmã ou colaborador(a) paulinas que estiver atendendo são importantes para estabelecermos uma verdadeira comunicação.


HE- A Bienal do livro atrai um grande público e certamente se configura como um programa para toda a família. O que pais e educadores poderão encontrar no stand Paulinas para incentivar seu trabalho educativo?


Ir. Cristiane- Uma das grandes preocupações de nossas produções é fornecer para esse público específico subsídios que possam auxilia-los em sua missão de formação humana. Portanto, pais e educadores encontrarão no stand Paulinas uma enorme variedade de títulos e produtos direcionados às suas necessidades e com preços muito acessíveis. É só passar lá para conferir

HÁ UM ANO SOB OS CUIDADOS DE PADRE JOSIVAN


Estamos todos de parabéns !
Estamos todos comemorando este aniversário !

"Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas,consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele".

( P A U L O F R E I R E - Pedagogia da Autonomia)

Homenagem do HARMONIA EXTRA a todos os professores e professoras.

Adoção de crianças, um ato de Amor


Por: Miguel Santos*



Adotar uma criança é um ato humanitário para quem adota, resgatando a dignidade de quem é adotado, que enfrentava preconceitos de uma vida sem vínculos, solitárias, vazias, desamparadas. A grande maioria das mulheres que adota uma criança jura que é praticamente o mesmo que dar à luz um novo bebê.

A adoção não chega a ser um remédio para os males sociais, mas contribui para resolver questões emocionais de pais adotantes e filhos adotados.

Tocar no assunto sem levar em conta as dificuldades práticas e burocráticas do processo é praticamente impossível. No Brasil, ele é bastante detalhado. Mas deve mesmo ser assim para garantir a proteção da criança: em todos os casos é necessário investigar a família que quer adotar e, claro, a reintegração à família de origem precisa ser uma possibilidade esgotada antes de finalizar a causa. Mas nada disso é páreo para quem já refletiu o bastante e está convicto da idéia de ter uma nova criança em casa.


Contrariando o que diz o senso-comum, os dados nacionais apontam que o número de casais dispostos a adotar um filho é bem menor do que a quantidade de crianças à espera de uma família que as acolha. O problema é que a maioria dos casais quer bebês de até seis meses, brancos e do sexo feminino, enquanto a demanda de crianças fora desse perfil é bem maior e mais preocupante. Para adotar uma criança, é necessário ter mais de 21 anos. Além disso, é preciso ter mais de 16 anos de diferença da criança adotada. Já a criança deve ter até 18 anos, exceto se já estiver sob guarda ou tutela. Os pais biológicos devem ser desconhecidos ou precisam, formalmente, ser destituído do pátrio poder. Não é necessário ser casado. O estado civil não muda em nada. Se você quer adotar, procure o Juizado da Infância e Juventude mais próximo para fazer um Cadastro de Pretendentes, com dados de identificação pessoal, renda financeira, profissão e domicílio. Também deve identificar sexo, cor e idade da criança ou adolescente pretendido. É preciso que fique bem claro que a criança ou o adolescente adotado passa a ter os mesmos direitos e deveres, inclusive hereditários, de um filho legítimo. Tanto que o adotado recebe o sobrenome do adotante.


A adoção é irrevogável, ou seja, a criança ou o adolescente nunca mais deixará de ser filho do adotante, nem mesmo com sua morte.


Registrar uma criança sem o que determina a legislação é chamado de crime de falsidade ideológica, previsto no artigo 242 do Código Penal Brasileiro, com pena de reclusão de 2 a 6 anos. Esta situação envolve, muitas vezes, intermediários, que também podem ser punidos conforme o Artigo 237 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Além disso, os pais biológicos podem recorrer à Justiça a qualquer momento para reaver o filho. Nesse tipo de adoção ilegal, a história de vida e de origem da criança desaparece. E no futuro, isto pode gerar inquietação e problemas muito complicados para o adotado.

Adotar uma criança com responsabilidade é o que verdadeiramente importa em todos os casos, para que não haja desapontamentos no futuro.



* Jornalista e radialista

Paroquianos da Harmonia na Posse de Dom Fernando Saburido












A Bíblia: Revelação Divina


Natureza e objeto da revelação

Aprouve a Deus, na sua bondade e sabedoria, revelar-se a si mesmo e dar a conhecer o mistério da sua vontade (cf. Ef1,9), mediante o qual, os homens, por meio de Cristo, Verbo encarnado, têm acesso ao Espírito Santo no Pai e se tornam participantes da natureza divina (Ef 2,18; 2Pd 1,4).
Em virtudes desta revelação, Deus invisível (cf Col 1,15; 1Tm 1,17), no seu imenso amor, fala aos homens como a amigos (cf Ex 33,11; Jo15, 14-15) e conversa com eles (cf Br3,38) para os convidar e admitir a participarem da sua comunhão. Esta “economia” da revelação faz-se por meio de ações e palavras intimamente relacionadas entre si, de tal maneira que as obras, realizadas por Deus na História da Salvação, manifestam e corroboram a doutrina e as realidades significadas pelas palavras, enquanto as palavras declaram as obras e esclarecem o mistério nelas contido. Porém, a verdade profunda contida nesta revelação, tanto a respeito de Deus, como a respeito da salvação dos homens, manifesta-se a nós na pessoa de Jesus Cristo, que é, simultaneamente, o mediador e a plenitude de toda revelação.

Papa Paulo VI
DEI VERBUM – Constituição dogmática sobre
a Revelação Divina

O mensageiro do coraqção de Jesus


O mensageiro do Coração de Jesus é uma revista católica para chegar a cada cristão com vários artigos religiosos informativos ligados à nossa Igreja e também ao movimento do Apostolado da Oração.

A revista é bastante proveitosa pois aborda vários temas e já circula há mais de cem anos. A última revista de julho/agosto de 2009 já é a edição de número 1.272 e atualmente a assinatura anual custa R$30,00 (trinta reais). Durante o ano são publicadas 10 edições já que a revista não circula nos meses de agosto e janeiro. Os interessados em fazer a assinatura do Mensageiro do Coração de Jesus, em nossa paróquia, podem procurar por Lúcia ou Ivanilda, membros do Apostolado da Oração.

Catequese e vida da Igreja


DOCUMENTO DE APARECIDA

Texto produzido a partir de informações publicadas na apresentação do documento conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe



Entre os dias 13 e 31 de maio de 2007, os bispos da América Latina reuniram-se em Aparecida para celebrar a 5ª. Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, interessados em seguir estimulando a ação evangelizadora da Igreja “chamada a fazer de todos os seus membros discípulos e missionários de Cristo, Caminho, Verdade e Vida”. Neste dias, os bispos estiveram reunidos com o papa Bento XVI que ofereceu seus ensinamentos fonte de iluminação e guia seguro para os trabalhos da Conferência. O documento de Aparecida foi publicado, portanto, como texto conclusivo desta Conferência que se configurou como novo passo no caminho da Igreja, sobretudo a partir das diretrizes do Concílio Vaticano II, dando continuidade e ao mesmo tempo recapitulando o caminho de fidelidade, renovação e evangelização da Igreja Latino-Americana ao serviço de seus povos, como também se expressou oportunamente nas anteriores conferências episcopais do Rio de Janeiro (1955); de Medelim (1968); de Puebla (1979) e de Santo Domingo (1992). Nesta mais recente Conferência episcopal de Aparecida os bispos sentiram-se chamados a repensar, em comunhão com toda a Igreja, com urgência, fidelidade e audácia sua missão nas novas circunstâncias latino-americanas e mundiais, revitalizando a novidade do Evangelho, de forma arraigada na história, a partir de um encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo, com o objetivo de despertar novos discípulos e missionários, homens e mulheres novos que encarnem essa tradição e novidade como protagonistas de uma vida nova para a América Latina.


Conforme o texto de apresentação do documento de Aparecida, uma fé católica reduzida a um elenco de normas e proibições, à práticas de devoção fragmentadas e adesões seletivas e parciais das verdades da fé, não pode resistir aos embates do tempo já que a maior ameaça atual na Igreja é o perigo do desgaste da fé que pode ir se degenerando em mesquinhez. Assim, ainda segundo o documento, “A todos nos toca recomeçar a partir de Cristo”, reconhecendo que não começamos a ser cristãos por uma decisão ética ou por uma grande idéia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva.


O documento de Aparecida apresenta como desafio fundamental para todos nós, hoje, que devemos mostrar a capacidade da Igreja para promover e formar discípulos e missionários que respondam à vocação recebida e comuniquem por toda parte, transbordando de gratidão e alegria, o dom do encontro com Jesus Cristo, pois “não temos outro tesouro a não ser este”. Neste sentido, o texto do documento nos coloca diante da realidade presente na América Latina e no mundo quando nos propõe que escolhamos entre caminhos de morte (que são os que levam a dilapidar os bens que recebemos de Deus e que traçam uma cultura sem seus mandamentos, animados pelos ídolos do poder, da riqueza e do prazer efêmero) ou os caminhos da vida verdadeira e plena para todos, caminhos de vida eterna que são aqueles abertos pela fé que conduzem à plenitude da vida que Cristo nos trouxe: com esta vida divina também se desenvolve em plenitude a existência humana, em sua dimensão pessoal, familiar, social e cultural. Esses caminhos frutificam os dons de verdade e amor que nos foram dados em Cristo na comunhão dos discípulos e missionários do SENHOR para que a América Latina e o Caribe sejam efetivamente um continente no qual a fé, a esperança e o amor renovem a vida das pessoas e transformem as culturas dos povos.