sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Entrevista com doutora Germana Araújo


A amizade é um bem muito precioso. Todas as pessoas precisam e desejam privar de uma boa amizade. Neste mês, a doutora Germana Araújo, psicóloga, conversou conosco sobre a importância da amizade para a saúde da nossa alma. Confira...


HE- Germana, a amizade tem alguma importância para a nossa saúde psíquica? Qual?

Dra. Germana- A amizade, no que ela se propõe, é sim muito importante para a nossa saúde psíquica.Vivenciar uma  relação de amizade favorece uma elevada auto-estima ao sujeito, o que o impulsionará para o crescimento pessoal que todos perseguimos. Mas, para entender melhor como isso se processa na relação é necessário que, primeiro, entendamos o que significa a amizade para o nosso universo psíquico. Vejamos, temos três instâncias psíquicas que determinam o mundo intrapsíquico e a existência singular de cada sujeito, são elas: o ID (como uma força de dentro pra fora) leva o sujeito a querer externar o que lhe é natural; o que é de sua natureza. Mas o superego (SE) como uma força de fora pra dentro (ex.: normas éticas) tolhe o sujeito e lhe impõe maneiras de ser e de agir. Então, o sujeito cria uma maneira própria de agir, cria o EGO. O Ego é o EU, é o que o sujeito escolhe para si próprio. É a escolha, a decisão do/de SER. Construir  laços de amizade faz parte dessa escolha do ser. Contudo, o organismo não opta por algo que o ameace, pelo contrário, a escolha saudável é sempre pelo que acolha. Essa acolhida traduz o que se chama de amizade. Então, amigo será aquele ser que apesar das diferenças inevitáveis, posto que cada sujeito é singular, acolherá a existência do outro e, esse ato de aceitação na convivência, é fundamental para o funcionamento saudável do psiquismo humano.

HE- A Palavra de Deus afirma que "um amigo fiel é um tesouro de vida e de imortalidade,
quem teme ao Senhor achará esse amigo". É verdade que fazer uma amizade verdadeira é mesmo tão difícil? Por quê?

Dra. Germana-  Sim. A dificuldade encontra-se no fato de a amizade efetivar-se numa relação que é ato de reciprocidade. Portanto, envolve dois sujeitos distintos, a partir de suas cargas genéticas (ID), de seus contextos sociais (SE) e no que eles poderão se constituir (EGO) .E esses itens jamais coincidirão em pessoas distintas (nem mesmo a influência do contexto social; por que não se trata de como ou qual é esse contexto, mas sim como o sujeito o vivencia, e não há duas vivências iguais nem mesmo em gêmeos univitelinos). Então, a dinamicidade exigida pela relação tem que se dá na diferença , e comungar da diferença (e até oposição) de contextos, ideais, propostas, perspectivas  etc. Não é tarefa tão simples.


HE- O enfraquecimento das relações de amizade podem nos causar perjuizos na vida pessoal?

Dra. Germana- O prejuízo se dá porque o acolhimento vivenciado na relação de amizade é sinônimo do amor fundamental a todo e qualquer indivíduo. É o amor incondicional (apesar das dispensas e discordâncias) que nutre a auto-estima do sujeito a qual o impulsiona para a execução de projetos construtivos.


HE- Hoje em dia,a necessidade de sobrevivência e o ritmo veloz com que as coisas acontecem nos tornam pessoas competitivas e nem sempre muito felizes. Como podemos valorizar as relações de amizade apesar do nosso cotidiano tão exigente?

Dra. Germana- A competitividade quando desmedida, incentiva o individualismo. Contudo, o homem é eminentemente um ser social. Sabe-se que há opções por uma vida fora do social, fora de qualquer tipo de comunidade social, mas trata-se de opção não do natural. Entende-se que, a partir do que lhe foi dado (genética) e da sociedade onde está inserido, o indivíduo se constrói, constrói o seu Eu e essa construção é individual, se dá individualmente; trata-se de “individualidade”. Porém ,o instinto de competição salienta o “individualismo” na medida em que, na competição desmedida, o outro é tido como um adversário e, como tal ,é uma ameaça. Na atualidade, considerando-se que “um amigo fiel é um tesouro da vida e da imortalidade...” ,o homem necessita vivenciar uma competição saudável, vendo o outro como aliado, pois apesar de se constituir individualmente, o ser se constituiu para o (s) outro (s).


HE. Por que creditar tamanha importância a amizade na vida das pessoas, se é cada vez mais raro testemunhar uma amizade verdadeira?

 Dra. Germana- Infelizmente, a sociedade contemporânea desprivilegia a amizade. O contexto atual vem desconsiderando a importância que uma relação de amizade, ou seja, de amor incondicional , tem na vida de cada indivíduo. Não se trata apenas da rima poética proposta por alguns autores, mas sim do fundamento de todo o ser que é humano. As pessoas precisam das pessoas. Os seres humanos proporcionam uns aos outros as maiores alegrias da vida, apesar das mais agudas tristezas que possam   surgir. Relacionar-se é inerente a estrutura humana e é através dos relacionamentos que o ser se desenvolve. Ser amigo é a forma mais plena de relacionar-se que o sujeito pode experimentar.

Nenhum comentário: