terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Campanha planeja Semana Nacional de Luta Contra o Extermínio de Jovens para 2011

Aprofundar o debate com a sociedade e formular propostas concretas para o enfrentamento da violência serão algumas das prioridades da Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens para os próximos anos. A conclusão é resultado do seminário nacional que terminou no último dia 19, em Salvador, e reuniu representantes de todas as regiões do país, além de organizações que apoiam a defesa dos direitos da juventude.

Na avaliação da coordenação nacional, o encontro foi muito bom na construção de novos horizontes, realizou também uma análise sobre o panorama do primeiro ano de existência da Campanha e pontuou desafios para o próximo período. O planejamento prevê para 2011 a divulgação do texto base até o mês de abril, um seminário nacional em agosto e a 1ª Semana Nacional de Luta Contra a Violência e o Extermínio de Jovens, em novembro, antecedendo o Dia Nacional da Consciência Negra.

O planejamento visa, também, a construção da marcha nacional da Campanha, programada para acontecer no mês de julho de 2012, em Brasília. Dentro da estratégia, ainda constam as atividades permanentes das Pastorais da Juventude (Semana da Cidadania, Semana do Estudante e Dia Nacional da Juventude) que terão como eixo os debates da Campanha. As ações previstas deverão contribuir para continuar sensibilizando a sociedade e denunciando o extermínio dos jovens brasileiros.

Além das atividades planejadas, outro desafio pontuado pelos participantes do seminário é o de ampliar o diálogo com as forças sociais interessadas em discutir o tema da violência e pensar formas de enfrentamento para esta questão. “Refletir sobre temas como drogas, violência praticada pela mídia, violência policial e violência doméstica, por exemplo, são fundamentais para avançarmos”, observa o membro da coordenação da Campanha, Felipe da Silva Freitas.



Chega de violência!


Lançada em novembro de 2009, a Campanha é uma iniciativa das Pastorais da Juventude do Brasil, com o apoio do Setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A intenção é debater as diversas formas de violência praticadas contra a juventude, denunciar o extermínio de milhares de jovens no Brasil e desencadear ações que possam mudar a realidade.
Com uma taxa de até 51,7 homicídios para cada 100 mil, o Brasil é o 3º país com mais assassinatos de jovens no mundo, atrás de Colômbia e Venezuela. A conclusão consta do estudo Mapa da Violência 2010 – Anatomia dos Homicídios no Brasil, divulgado pelo Instituto Sangari. Segundo relatório da Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (Ritla), no Brasil morrem por dia, em média, 54 jovens vítimas de homicídio.

Bento XVI : “Somente aqueles que se abrem ao amor, são envolvidos pela luz do Natal”

O papa Bento XVI pronunciou, ontem, 25, ao meio dia (horário de Roma) a tradicional mensagem de natal “Urbi et Orbi” (à cidade de Roma e ao o mundo). “Somente aqueles que se abrem ao amor, são envolvidos pela luz do Natal”, disse o papa durante a mensagem transmitida em mundo-visão a milhões de fiéis do mundo inteiro que se somaram aos milhares de presentes na Praça São Pedro. Ao final da mensagem, ele fez suas felicitações natalinas em 65 línguas.
“A encarnação do Filho de Deus é um acontecimento que se deu na história, mas ao mesmo tempo ultrapassa-a. Na noite do mundo, acende-se uma luz nova, que se deixa ver pelos olhos simples da fé, pelo coração manso e humilde de quem espera o Salvador. Se a verdade fosse apenas uma fórmula matemática, em certo sentido impor-se-ia por si mesma. Mas, se a Verdade é Amor, requer a fé, o ‘sim’ do nosso coração”, disse Bento XVI.


Leia a íntegra da mensagem


«Verbum caro factum est – o Verbo fez-Se carne» (Jo 1, 14).

Queridos irmãos e irmãs, que me ouvis em Roma e no mundo inteiro, é com alegria que vos anuncio a mensagem do Natal: Deus fez-Se homem, veio habitar no meio de nós. Deus não está longe: está perto, mais ainda, é o «Emanuel», Deus-conosco. Não é um desconhecido: tem um rosto, o rosto de Jesus.
Trata-se de uma mensagem sempre nova, que não cessa de surpreender, porque ultrapassa a nossa esperança mais ousada. Sobretudo porque não se trata apenas de um anúncio: é um acontecimento, um fato sucedido, que testemunhas credíveis viram, ouviram, tocaram na Pessoa de Jesus de Nazaré! Permanecendo com Ele, observando os seus atos e escutando as suas palavras, reconheceram em Jesus o Messias; e, ao vê-Lo ressuscitado, depois que fora crucificado, tiveram a certeza de que Ele, verdadeiro homem, era simultaneamente verdadeiro Deus, o Filho unigênito vindo do Pai, cheio de graça e de verdade (cf. Jo 1, 14).
«O Verbo fez-Se carne». Fitando esta revelação, ressurge uma vez mais em nós a pergunta: Como é possível? O Verbo e a carne são realidades opostas entre si; como pode a Palavra eterna e onipotente tornar-se um homem frágil e mortal? Só há uma resposta possível: o Amor. Quem ama quer partilhar com o amado, quer estar-lhe unido, e a Sagrada Escritura apresenta-nos precisamente a grande história do amor de Deus pelo seu povo, com o ponto culminante em Jesus Cristo.

Na realidade, Deus não muda: mantém-se fiel a Si mesmo. Aquele que criou o mundo é o mesmo que chamou Abraão e revelou o seu próprio Nome a Moisés: Eu sou Aquele que sou… o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob… Deus misericordioso e compassivo, cheio de amor e fidelidade (cf. Ex 3, 14-15; 34, 6). Deus não muda: Ele é Amor, desde sempre e para sempre. Em Si mesmo, é Comunhão, Unidade na Trindade, e cada obra e palavra sua tem em vista a comunhão. A encarnação é o ápice da criação. Quando no ventre de Maria, pela vontade do Pai e a ação do Espírito Santo, se formou Jesus, Filho de Deus feito homem, a criação atingiu o seu vértice. O princípio ordenador do universo, o Logos, começava a existir no mundo, num tempo e num espaço.
«O Verbo fez-Se carne». A luz desta verdade manifesta-se a quem a acolhe com fé, porque é um mistério de amor. Somente aqueles que se abrem ao amor, são envolvidos pela luz do Natal. Assim sucedeu na noite de Belém, e assim é hoje também. A encarnação do Filho de Deus é um acontecimento que se deu na história, mas ao mesmo tempo ultrapassa-a. Na noite do mundo, acende-se uma luz nova, que se deixa ver pelos olhos simples da fé, pelo coração manso e humilde de quem espera o Salvador. Se a verdade fosse apenas uma fórmula matemática, em certo sentido impor-se-ia por si mesma. Mas, se a Verdade é Amor, requer a fé, o «sim» do nosso coração.

E que procura, efetivamente, o nosso coração, senão uma Verdade que seja Amor? Procura-a a criança, com as suas perguntas tão desarmantes e estimuladoras; procura-a o jovem, necessitado de encontrar o sentido profundo da sua própria vida; procuram-na o homem e a mulher na sua maturidade, para orientar e sustentar os compromissos na família e no trabalho; procura-a a pessoa idosa, para levar a cumprimento a existência terrena.
«O Verbo fez-Se carne». O anúncio do Natal é luz também para os povos, para o caminho coletivo da humanidade. O «Emanuel», Deus-conosco, veio como Rei de justiça e de paz. O seu Reino – bem o sabemos – não é deste mundo, e todavia é mais importante do que todos os reinos deste mundo. É como o fermento da humanidade: se faltasse, definhava a força que faz avançar o verdadeiro progresso, o impulso para colaborar no bem comum, para o serviço desinteressado do próximo, para a luta pacífica pela justiça. Acreditar em Deus que quis compartilhar a nossa história, é um constante encorajamento a comprometer-se com ela, inclusive no meio das suas contradições; é motivo de esperança para todos aqueles cuja dignidade é ofendida e violada, porque Aquele que nasceu em Belém veio para libertar o homem da raiz de toda a escravidão.
A luz do Natal resplandeça novamente naquela Terra onde Jesus nasceu, e inspire Israelitas e Palestinianos na busca duma convivência justa e pacífica. O anúncio consolador da vinda do Emanuel mitigue o sofrimento e console nas suas provas as queridas comunidades cristãs do Iraque e de todo o Médio Oriente, dando-lhes conforto e esperança no futuro e animando os Responsáveis das nações a uma efetiva solidariedade para com elas. O mesmo suceda também em favor daqueles que, no Haiti, ainda sofrem com as consequências do terremoto devastador e com a recente epidemia de cólera. Igualmente não sejam esquecidos aqueles que, na Colômbia e na Venezuela mas também na Guatemala e na Costa Rica, sofreram recentemente calamidades naturais.
O nascimento do Salvador abra perspectivas de paz duradoura e de progresso autêntico para as populações da Somália, do Darfour e da Costa do Marfim; promova a estabilidade política e social em Madagáscar; leve segurança e respeito dos direitos humanos ao Afeganistão e Paquistão; encoraje o diálogo entre a Nicarágua e a Costa Rica; favoreça a reconciliação na Península Coreana.
A celebração do nascimento do Redentor reforce o espírito de fé, de paciência e de coragem nos fiéis da Igreja na China continental, para que não desanimem com as limitações à sua liberdade de religião e de consciência e, perseverando na fidelidade a Cristo e à sua Igreja, mantenham viva a chama da esperança. O amor do «Deus-connosco» dê perseverança a todas as comunidades cristãs que sofrem discriminação e perseguição, e inspire os líderes políticos e religiosos a empenharem-se pelo respeito pleno da liberdade religiosa de todos.
Queridos irmãos e irmãs, «o Verbo fez-Se carne», veio habitar no meio de nós, é o Emanuel, o Deus que Se aproximou de nós. Contemplemos, juntos, este grande mistério de amor; deixemos o coração iluminar-se com a luz que brilha na gruta de Belém! Boas festas de Natal para todos!


Fonte: CNBB

Definida a data de beatificação de Irmã Dulce

A data para a cerimônia de beatificação de Irmã Dulce já foi definida. Será no dia 22 de maio de 2011, em missa que será celebrada no Parque de Exposição (Av. Paralela), em Salvador (BA). A informação foi divulgada nA última sexta-feira, 24, pela assessoria de comunicação da arquidiocese de Salvador
De acordo com a assessoria, o arcebispo de Salvador, cardeal dom Geraldo Majella Agnelo, designou o padre Manoel Filho para coordenar o evento. O horário da missa ainda não foi definido. A comissão organizadora do evento é composta por padres, leigos e representantes das Obras Sociais Irmã Dulce.

Fonte: CNBB

Primeira Casa da Gestante da Arquidiocese será inaugurada

A primeira Casa da Gestante da Arquidiocese de Olinda e Recife será inaugurada na próxima terça-feira, 28, às 20h30, pelo arcebispo metropolitano, dom Antônio Fernando Saburido. O lar de acolhimento, fica no Curado IV, Jaboatão dos Guararapes, é conduzido pelo padre Rodrigo Maria (foto). A escolha data para a inauguração não foi por acaso. Dia 28 de dezembro, é comemorado o dia dos Santos Inocentes em memória de um episódio histórico do cristianismo, a matança de todos os meninos menores de dois anos nascidos em Belém, Judéia, ordenada pelo rei Herodes com o fim de se desfazer do recém nascido Jesus de Nazaré.
A ideia do projeto surgiu no ano de 2008, quando o sacerdote, natural do Estado de Goiás, chegou à Arquidiocese de Olinda e Recife. Ele descobriu que na arquidiocese não havia nenhuma Casa da Gestante. Então, resolveu se engajar na luta. O caso da menina de 9 anos grávida de gêmeos após ser abusada sexualmente pelo padrasto impulsionou o projeto. “Através dele pudemos ver a fragilidade das nossas ações. Claro que nós temos que defender a vida com todas as forças, contudo temos que ir além da teoria. Temos que apresentar uma solução para as mulheres querem fazer a opção pela vida, mas não acham quem as ajude.”
Logo após, surgiu uma série de fatos semelhantes que mostraram a falta de estrutura do governo e da sociedade civil para apoiarem as mulheres na situação de gravidez, dificuldade e abandono. “Muitos abortos são praticados por mulheres em um momento de desespero, em que não sabem o que fazer porque foram abandonadas pelos namorados ou companheiros e não têm o apoio da família. Então, é fácil cair na tentação de fazer o aborto porque não falta gente que aconselhe tal prática e o acesso aos remédios e métodos abortivos é facilitado, infelizmente”, lamentou o sacerdote.
O projeto também foi apresentado pelo atual arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, na Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, realizada em fevereiro deste ano. Antes mesmo de ser concluído, o projeto Casa da Gestante já tem rendido bons frutos. Procurado pelo Círculo Católico, o mais importante parceiro na execução do projeto, o padre Rodrigo Maria foi aconselhar uma mulher grávida e decidida a abortar. Este seria o sexto aborto realizado por ela. Foram recebidos com indiferença, contudo a jovem aceitou conversar e assistir ao vídeo “A dura realidade do aborto”, que mostra imagens de crianças abortadas. Ela ficou impressionada com as cenas, entretanto disse não estar interessada na ajuda, mas prometeu entrar em contato caso precisasse. Após duas semanas, a mulher decidiu não abortar, mas pediu ao padre que encontrasse um casal para adotar a criança. “Ainda não tínhamos um lugar para colocá-la. Então, falamos com as irmãs da Fraternidade Arca de Maria. Elas mudaram a rotina pacata do noviciado para acolhê-la com carinho. A jovem era tinha alguns vícios (álcool, cigarro, drogas ilícitas) e uma vida agitada, mas aceitou se adaptar à rotina das religiosas”, afirmou o padre. Após dois meses, ela decidiu que iria criar a filha e não a daria mais para a adoção. Ela desejou fazer uma catequese, se confessar espontaneamente e abandonou os vícios.
Maria Laura nasceu em fevereiro, saudável e pesando quase quatro quilos. “Foi um acontecimento profético para mostrar que devemos nos empenhar na salvação dessas crianças”, declarou o padre. O bebê foi batizado e hoje está no Rio de Janeiro com a mãe, que voltou para a casa dos pais. Outras grávidas já procuraram o padre para receber aconselhamento. “A maior parte dos casos são de pessoas que têm família e não precisam de acolhimento, mas só pelo fato de saberem do projeto elas já têm um referencial e procuram ajuda. Isso é muito positivo para a causa pró-vida”.
Pesquisa

A Fundação Nacional de Saúde financiou a Pesquisa Nacional de Aborto, que entrevistou 2.002 mulheres entre 18 e 39 anos de todo o país mostrou que 15% das brasileiras já abortaram. Medicamentos abortivos foram usados em metade dos casos pesquisados. Outro estudo realizado pelo Instituto do Coração, em São Paulo, com base em dados do Datasus de 1995 a 2007, revelou que a curetagem após aborto é a cirurgia mais realizada no Brasil. De acordo com especialistas a maioria dos procedimentos é decorrente de aborto provocado, pois os espontâneo, em geral, não exigem internação. Em 12 anos, foram registrados 3,1 milhões procedimentos desta natureza.
A Casa da Gestante acolherá, dará assistência médica, atenção e carinho às mães e aos bebês. “Uma vez construída, alimentos e ajuda humanitária não faltará. Alguns pediatras, psicólogos e artesãos já se ofereceram para contribuir com o projeto”, afirmou.
Para ajudar a Casa da Gestante e saber mais sobre o projeto, é só ligar para a Paróquia Sagrado Coração de Jesus pelo telefone: 3251-1544. As doações também podem ser feitas através de depósitos bancário:


Banco Bradesco
Agência: 2140-7
Conta Corrente: 34315-3
Paróquia do Curado



Da Assessoria de Comunicação AOR
com informações da Pascom Curado

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Natal é sempre um tempo de aquecimento dos nossos corações e de renovação da nossa fé. Jesus Cristo, nosso Mestre Divino, entra na nossa história e nos revela seu infinito amor.

Deixemo-nos alcançar por Ele no fundo das nossas almas para que Ele nos transforme em discípulos missionários cada vez mais dispostos e mais amorosos.

Editorial

Estamos chegando ao final de mais um ano. É natural que nesta época façamos um balanço de tudo o que fizemos ou deixamos de fazer durante os últimos 365 dias. O regime que sempre adiamos; as visitas que prometemos fazer aos parentes e amigos, a viagem dos sonhos e assim tantas coisas realizadas ou não. Também neste sentido podemos contabilizar nossas atividades paroquiais este ano. Graças a Deus podemos perceber que muitas coisas foram feitas, programadas e realizadas com sucesso. Crescemos com novas pastorais, com eventos, com assistência pastoral e social. As recém criadas Pastorais da Saúde, da Criança, do Idoso; o Curso Bíblico, a Assembléia Pastoral Paroquial que norteou nossos trabalhos para os próximos dois anos, o Primeiro Encontro de Evangelização do Setor onde tivemos grande participação e tantas outras coisas que nos mobilizaram animadamente. É bonito que tudo isto seja feito com um princípio: a missão de contribuir com o reino de Deus na ajuda aos irmãos podendo nós mesmos crescer como pessoas, como comunidade, como povo de Deus. Portanto, aproveitemos esta época muito propícia para que façamos nosso balanço pessoal limpando nosso coração, tirando tudo aquilo que somente nos pesa na caminhada para que possamos abraçar este ano que logo estará à nossa porta, mais leves e mais dispostos a empreender a missão que cabe a cada um de nós. Desejo agradecer a todos e cada um que deram o melhor de si para que nossa comunidade crescesse em tantos aspectos diante de Deus e de sua Igreja. Faço menção a alguns e algumas que caminhavam conosco e agora já estão na Casa do Pai. Que neste Natal as bênçãos de Deus se derramem sobre todos nós, a alegria da chegada do Menino ilumine nossos corações e que o Ano Novo seja de paz e satisfação para todos.


Bom Natal e feliz Ano Novo!

Pe. Josivan Sales.

Paroquianos estão felizes com a missa da saúde

No segundo domingo de cada mês, a partir das 16 horas, aos poucos a paróquia da Harmonia vai ficando repleta de pessoas que já ficaram sabendo da celebração da missa da saúde, às 17h na qual o padre Josivan Sales faz aspersão de água benta em toda a assembléia e depois dá a unção dos enfermos para todas as pessoas maiores de 65 anos. Logo após a homilia, os mais idosos se organizam em duas filas e recebem a unção com muita fé. Depois o padre vai até aqueles que já não podem se locomover. Muitos idosos da paróquia e outros visitantes dizem-se felizes com a atitude do padre que é uma das ações da brilhante atuação da pastoral da saúde em nossa paróquia.
“Quão afável é o teu coração, que quiseste nascer nosso irmão e a nós todos salvar.”

Cancioneiro natalino

Missas de final de ano:

Missa do Galo: 24/12 - 19h30m
Dia de Natal: 25/12 - 9h e 17h

Véspera de Ano Novo: 31/12 - 19h

Dia de Ano Novo: 1º/1 - 9h e 17h

Sugestão Cultural

Dia a dia nos passos de Jesus

ANO A

Traz as leituras do Ano A, um breve comentário e uma pequena oração ou pedido de graça do dia. Pode ser utilizada individual ou comunitariamente.

Paulinas Editora

Natal: um novo tempo

Por: Anama

O sinal do natal é uma estrela, uma luz na escuridão. Não a vejas fora de ti, mas brilhando no céu interior e aceita-a como o sinal de que o tempo de Cristo veio. Ele vem sem nada exigir. Ele não pede nenhum sacrifício de ninguém. Na presença de Cristo, toda a idéia de sacrifício perde qualquer significado, pois Ele é o anfitrião de Deus.

Nesse natal, dá ao Espírito Santo tudo  que iria ferir-te. Deixa que sejas completamente curado, de modo que possas unir-te a Ele na cura e festejemos nossa liberação juntos, liberando todas as pessoas conosco. Não deixes nada para trás, pois a liberação é total e quando tu a tiveres aceito tu a darás. Toda dor, todo sacrifício e toda pequenez desaparecerão em nosso relacionamento, que é tão inocente e tão poderoso quanto o nosso relacionamento com o Pai. A dor nos será trazida e desaparecerá na nossa presença e sem dor não pode haver sacrifício. E sem sacrifício tem que haver amor. Não deixes nenhum desespero escurecer a alegria do natal, pois o tempo de Cristo não tem significado à margem da alegria. Vamos nos unir na celebração da paz, sem pedir sacrifício algum de pessoa alguma, pois assim oferecemos o amor que o Pai nos oferece. Esse é o tempo em que logo um novo ano nascerá do tempo de Cristo.


Tenhamos fé perfeita, no sentido de que faremos tudo o que queremos realizar. Assim começará o ano em alegria e liberdade. Há muito a fazer e nós estamos muito atrasados. Aceitemos o instante santo enquanto esse ano nasce e tomemos o nosso lugar, por tanto tempo vago, no Grande Despertar. Façamos com que esse ano seja diferente fazendo com que tudo seja o mesmo. E permitamos que todos os nossos relacionamentos sejam santificados. Essa é a nossa vontade. Amém.

Jesus é a nossa referência

Por: Anselmo Cabral
professor e MECEP


Para nós, cristãos, Jesus Cristo é o centro de nossa vida e é nele que encontramos a nossa referência  para onde devemos orientar toda  a nossa forma de pensar, sentir e agir.

É através da leitura e da meditação dos evangelhos que podemos conhecer a pessoa de Jesus e identificar suas características divinas e humanas. Só é possível afirmar que somos cristãos quando nos dispomos aprender com o Mestre o modo como cada um de nós pode segui-lo.


Uma maneira prática e bonita de iniciar uma reflexão sobre a pessoa de Jesus e o nosso exercício de identificação pessoal com E afirmando a importância de nos configurarmos com Ele, o Divino Mestre salienta: “Aprendam de mim que sou manso e humilde de coração”. A partir desse exercício de contemplação da pessoa de Jesus Cristo e da nossa sempre crescente disposição e atitude de configuração com sua bondade, aparece como sequência disso, a possibilidade de ampliarmos o nosso olhar no sentido de encontrarmos em todas as pessoas o que eles trazem em sua personalidade que nos permite ver nelas alguma característica do Senhor.


Primeiro verificamos o que nos identifica com ele e fortalecemos vínculo afetivo com Jesus, aumentando nossa disposição de amá-lo e segui-lo; em seguida, iniciamos a segunda parte que é identificar nas outras pessoas o que, nelas, nos faz ver a bondade de Jesus. Talvez seja em sua coragem, em sua doçura, ou em sua capacidade de trabalho, etc.
Ele é nos perguntando, em oração, qual a característica de Jesus que mais nos toca; que ação, que palavra, que imagem dele nos faz vibrar com maior intensidade.


Dependendo da sua personalidade, dos seus talentos e da sua vocação cada pessoa se identificará mais com algum trecho do evangelho e, a partir desta ou daquela característica do Mestre poderá fortalecer sua identificação pessoal com Ele. Em qualquer que seja o caso, este é apenas um exercício simples para que se perceba que em todo o evangelho Jesus se revela amoroso e disponível até afirmar que quem O viu, viu também o Pai.

O que importa é que Jesus seja a nossa referência quando olhamos para nós mesmos e quando nos relacionamos com as outras pessoas.


Com o tempo iremos percebendo que este exercício nos ajudará a termos uma visão melhor de nós mesmo e a sermos mais misericordiosos com as pessoas. Convém deixar claro que os frutos desta meditação também dependem da graça de Deus e de um esforço bem generoso de nossa parte para não ficarmos no meio do caminho. Oração e docilidade são imprescindíveis.

Ao nos identificarmos com o bom Jesus e passarmos a ver o que há dele nas outras pessoas teremos maiores chances de crescer como batizados, até que Cristo se forme em nós. Esta meta exige o tempo de uma vida inteira!

1º.Encontro do Setor Centro Residencial

Foi um grande sucesso o I Encontro de Evangelização  do Setor Centro Residencial realizado no dia 20 de novembro pelas seis paróquias que compõem este setor.

Com a participação de mais de 200 pessoas o auditório do Centro Salesiano da Estrada do Arraial ficou repleto. O palestrante, padre Josenildo, coordenador arquidiocesano de pastorais, brindou-nos com sua eloquência e simpatia. A presença de D. Fernando Saburido neste encontro, presidindo a celebração eucarística e participando conosco do almoço nos anima ainda mais a seguir na missão. Destacamos os grupos de estudo que  fizeram um diagnóstico das ações do setor à luz do Documento de Aparecida, fornecendo idéias e sugestões para direcionar melhor os trabalhos.  A participação ativa de todos os presentes se constituiu  fator decisivo para o sucesso deste evento.

Outra coisa que chamou a atenção foi a integração das mais diversas pastorais e movimentos que se mesclaram formando uma unidade coerente. A alegria e animação de todos foi contagiante, sendo um dos pontos de relevância desta reunião. No dia 24  houve a confraternização de fim de ano do setor, momento que se aproveitou para fazer a avaliação do encontro, onde não se poupou elogios a este dia. Foram especialmente citadas a alegria, a disponibilidade e a articulação, palavra bastante repetida para expressar a principal razão deste acontecimento.

Estão todos de parabéns: os participantes, as equipes, as irmãs salesianas pelo extraordinário espaço e estrutura cedidas, os sacerdotes, enfim, todos que atenderam e entenderam o chamado para a missão. Que seja este o primeiro de muitos encontros e que o sucesso representado principalmente pelo espírito de unidade e serviço possa exemplar toda a caminhada que se apresenta adiante, embalada pelo espírito missionário a serviço da evangelização.

Confira algumas fotos:












Curso Bíblico

Coroado de êxito encerrou-se no dia 29 de novembro a primeira etapa do Curso Bíblico. Durante oito meses as mais de sessenta pessoas que, em média, participaram, foram brindadas com a história do povo de Deus trazida de forma brilhante e didática por Roni, Bernardo e Pe. Josivan. No próximo ano a partir de fevereiro continuaremos a estudar a caminhada do povo eleito. Todos podem participar, mesmo que não tenham acompanhado essa primeira parte. Esta iniciativa enriqueceu sem dúvida os conhecimentos bíblicos de todos com seus debates, explicações e informações.

A ceia: evento privilegiado para celebração da família cristã

Por: Germana Araújo
Psicóloga e membro da Associação dos Cooperadores paulinos para o Evangelho


O simbolismo que envolve o período natalino é dos mais ricos em elaboração disposto na nossa cultura. Em seu complexo de símbolos (vela, árvore, presente...), a ceia representa o ápice no contexto simbólico apresentado no natal. É à mesa que comemoramos/compartilhamos em família e entre amigos os momentos que nos são significativos. Entendamos que o termo "simbolismo" traduz o modo de representação indireta e figurada através de "símbolos" os quais são elementos  das representações humanas e que têm a função de representar uma idéia sendo constitutivo, fundamentalmente, da própria realidade humana. 

Neste contexto simbólico natalino, o verdadeiro presente, o Aniversariante, é compartilhado à mesa da família cristã num ato de fraternidade que se repete nos lares cristãos, irmanando em Cristo toda a comunidade. Nesta perspectiva "O Presente" se faz presente nos grupos constituindo-os em famílias, nas casas transformando-as em lares. E é este o conceito de nascimento envolto num contexto de paz, de luz, que ilumina a comunidade cristã e que é o verdadeiro sentido do Natal.

Projeto Rua Ideal: Comunidade Saudável

A Pastoral da Saúde em uma brilhante iniciativa fez acontecer no dia 20 de novembro na rua Arnoldo Magalhães o projeto Rua Ideal: Comunidade Saudável.

Prestando atendimento aos moradores daquela localidade com ações de orientação e pequenos atendimentos a Pastoral pretende a partir deste projeto piloto iniciar em parceria com a UFPE um planejamento da “Rua Ideal”, através de sugestões de seus moradores no intuito de melhorar a qualidade de vida da comunidade.


Confira algumas fotos:












sábado, 18 de dezembro de 2010

NATAL DO ANO CENTENÁRIO DA ARQUIDIOCESE

“Ó Deus onipotente, agora que a nova luz do vosso Verbo Encarnado invade o nosso coração, fazei que manifestemos em ações o que brilha pela fé em nossas mentes”.
Gostaria de iniciar esta mensagem natalina, neste ano em que celebramos o centenário de nossa Arquidiocese de Olinda e Recife e sua respectiva Província, elevando ao Pai essa prece da Missa da Aurora do Natal. Cada ano, recitando essa oração, nós pedimos o auxílio de Deus para que nos ajude a “manifestar em ações o que brilha pela fé em nossas mentes”.

Diante de cada etapa que se inicia, costumamos elaborar novos projetos. Se não o fazemos explicitamente, pelo menos interiormente nos propomos a caminhar em determinada direção. Agora que estamos na perspectiva de novo Natal e Ano Civil, com novas “utopias”, poderíamos aproveitar para avaliar as ações realizadas até então se corresponderam, de fato, ao que “brilha pela fé em nossas mentes”.
Todos nós somos motivados a nos realizar como pessoas humanas, independentemente da fé que professamos, na medida em que deixamos de lado as preocupações individualistas e nos abrimos para a transformadora força da unidade. Para nós, cristãos, esta experiência tem uma dimensão bem mais profunda, pois o meu semelhante, com quem procuro me unir, são os verdadeiros irmãos e irmãs em Cristo e, somente vendo-os assim, o meu gesto de amor se traduzirá em ações concretas que congregam e fortalecem.
NATAL é solenidade de paz e alegria! Um Deus que assume a condição humana para nos possibilitar assumir a condição divina. É mistério por demais grandioso para nossas limitadas inteligências. Somente a fé nos fará compreender um Deus apaixonado que insiste em aproximar-se da pobre criatura humana para lhe oferecer a chance de re-encontrá-lo.

No Natal, a cidade se enche de cores e luzes, para representar a Luz Verdadeira – Jesus Cristo, apontado pela estrela de Belém.

É SINAL DE LUZ a certeza de que Jesus caminha conosco e nos dá inteligência para compreender e viver sua mensagem. Ele nasce pobre entre os pobres para falar de um Reino que está à disposição dos pobres e pecadores.

É SINAL DE TREVA tudo que impede a concretização desse Reino, especialmente a desigualdade reinante entre os filhos do mesmo Pai. “As desigualdades sociais aumentam como fruto da globalização do mercado, que concentra poder e riqueza, enquanto faz diminuir os postos de trabalho na indústria e no campo, degrada a natureza, causa desastres ecológicos e multiplica a cada dia o número de excluídos, condenando-os ao êxodo e ao exílio, à deterioração física e psíquica, inclusive à perda precoce da vida” (Doc. 69 da CNBB – nº 6). A concentração de rendas é geradora, não só da fome, mas, de outras violências. É um mal que contradiz o verdadeiro espírito natalino e inviabiliza a concretização do Reino de Deus.

Nada mais expressivo que a singela imagem do Menino Jesus para reanimar nossos sentimentos de esperança e nos recordar a beleza da vida, sobretudo quando estamos imbuídos de sentimentos de solidariedade. Vamos rejeitar toda tentação ao consumismo, sentimentalismo, individualismo e outros “ismos” que nos afastem do verdadeiro espírito da Festa e digamos a uma só voz: “Maranathá! Vem, Senhor Jesus! (Ap 22,20).

Feliz Natal (2010) e Ano Novo (2011), cheios de paz e esperança, com novo governo e novas perspectivas. Que estas sejam benéficas e, especialmente, voltadas para os mais pobres e humilhados.


Dom Antônio Fernando Saburido, OSB
Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife

Confederação Nacional dos Bispos divulga mensagem de Natal

E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós” (Jo 1,14)

Aproximando-se a festa do nascimento de Jesus Cristo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dirige-se ao povo brasileiro para desejar que as bênçãos de Deus sejam derramadas abundantemente no coração de todos.

A contemplação e celebração do nascimento de Jesus fortalecem a fé em Deus que vem até nós e que nos oferece a possibilidade do encontro com seu Filho. Ele é o caminho para que em nossas famílias, nas comunidades e na sociedade vivamos o amor, a reconciliação e a paz.

Mesmo sabendo que o nosso país tem mostrado sinais de progresso econômico, persistem, ainda, em nosso meio situações de miséria e de empobrecimento, de fome, de violência organizada, de degradação do meio-ambiente, dentre outras realidades que ameaçam a vida e geram insegurança nas mais variadas formas. Essa realidade é fruto do individualismo e do egoísmo que orientam a organização da sociedade atual na lógica da concentração de bens e riquezas e da exclusão social.

O Natal lança luzes e questionamentos sobre o nosso modo de ser e de viver o Evangelho em meio às realidades que interpelam a nossa consciência e prática cristãs e eclesiais. Jesus Cristo, que assumiu a humanidade com suas fragilidades, limites e pecados e a redimiu, nos convida a seguir os seus passos. A exemplo de Cristo, a Igreja no Brasil assume as angústias e tristezas do povo brasileiro, bem como suas esperanças, a fim de que, animada pelo Espírito, possa realizar sua missão no horizonte da gratuidade, da solidariedade e da alegria.

Celebremos o Natal com gestos de partilha, proclamando a presença de Jesus Salvador, reconhecendo e afirmando o valor da dignidade da pessoa, participando da vida da comunidade e comprometendo-nos com a construção de uma sociedade pacífica e sem exclusões. Desse modo, estaremos respondendo melhor ao amor de Deus presente no Verbo que se fez carne e habita entre nós, fortalecendo nossas esperanças para o Ano Novo.

A todos, desejamos um feliz e santo Natal e um abençoado Ano Novo.
Brasília, 1º de dezembro de 2010.

Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB

Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus
Vice-presidente da CNBB

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB

Campanha Unicef por uma infância e adolescência sem racismo

No dia 29 de novembro de 2010 foi lançada no Brasil a campanha motivada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância e Adolescência (Unicef) que visa o enfrentamento do racismo na infância e adolescência. Esta Campanha terá aliados nos diferentes segmentos do Estado, das tradições religiosas e da sociedade civil em geral. A pastoral afro-brasileira representará a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), nesta campanha. Segundo o assessor da Pastoral Afro-brasileira, padre Ari Antônio dos Reis, a participação de outras Pastorais é muito importante e se faz necessária para a erradicação do racismo no país.

A apresentação deste enfoque para a sociedade diz respeito ao enfrentamento necessário da realidade do racismo ainda presente no Brasil. “Nosso país é marcado pela diversidade, isto compreendido como uma grande riqueza. Contudo, a desigualdade de oportunidades é uma realidade explicita e cabe construir ações concretas na perspectiva da superação deste entrave ao desenvolvimento integral das crianças e adolescentes indígenas e negros”, disse padre Ari.

Segundo dados da Unicef, o racismo contribui para o atendimento deficiente das mulheres negras e indígenas grávidas, o que pode afetar a vida da criança em gestação e a sua sobrevivência nos primeiros anos de vida.

O racismo impede o acesso a saúde e educação de qualidade. As taxas de analfabetismo são mais altas entre os adolescentes indígenas e negros. Dos 27 milhões de crianças que vivem em situação de pobreza (45,6%), 17 milhões são negras.

Os adolescentes negros representam o maior percentual de vítimas de homicídios nas cidades com mais de 100 mil habitantes (2,6 mais riscos que um adolescente branco). Os dados negativos se estendem ao acesso ao primeiro emprego, ao curso superior, as profissões bem renumeradas.

As estatísticas oficiais mostram uma situação de desvantagem e exclusão que tem reflexos concretos na vida de crianças e adolescentes. A criança, ao vivenciar esse cotidiano de desigualdade, tem percepção de que negros, brancos e indígenas ocupam lugares diferentes na sociedade. Por isso, torna-se fundamental uma socialização que desconstrua essa percepção, contribuindo dessa forma para mudar a realidade.

Segue abaixo uma sugestão concreta que poderá ser efetivada nas famílias, escolas e demais ambientes onde as crianças e adolescentes convivem.

10 Maneiras de Contribuir para Uma Infância sem Racismo

Eduque seus filhos e filhas para o respeito à diferença. Ela está nos tipos de brinquedos, nas línguas faladas, nos vários costumes entre os amigos e pessoas de diferentes culturas, raças e etnias. As diferenças enriquecem nosso conhecimento. E o respeito ao próximo está em primeiro lugar.

Palavras, olhares, piadas e algumas expressões podem se desrespeitosas com outras pessoas, culturas e tradições. Indigne-se, e esteja alerta se isso acontecer!

Não classifique o outro pela cor de pele, o essencial você ainda não viu. Lembre-se: racismo é crime.
Se seu filho ou filha foi discriminado, abrace-o, apóie-o. Mostre-lhe que a diferença entre as pessoas é legal e que cada um pode usufruir de seus direitos igualmente.

Não deixe de denunciar. Em todos os casos de discriminação, você deve buscar defesa junto ao conselho tutelar, às ouvidorias dos serviços públicos, da OAB e nas delegacias de proteção à infância e adolescência.
Proporcione aos seus filhos e filhas a convivência com crianças de diferentes raças e etnias. Valorize o comportamento sem preconceito, respeitoso e oriente-os sobre o que precisam melhorar.

Muitas empresas estão revendo sua política de seleção e de pessoal com base na multiculturalidade e na igualdade racial. Procure saber se o local onde você trabalha participa também dessa agenda. Se não, fale disso com seus colegas e supervisores.

Órgãos públicos de saúde e de assistência social estão trabalhando com rotinas de atendimento sem discriminação para famílias indígenas e negras. Você pode cobrar esta postura dos serviços de saúde e sociais da sua cidade. Valorize as iniciativas nesse sentido.

As escolas são grandes espaços de aprendizagem. Em muitas escolas no país, as crianças e adolescentes estão aprendendo sobre a história e a cultura dos povos indígenas e da população negra; e sobre como enfrentar o racismo. Ajude a escola de seus filhos a adotar também essa postura.

Participe dessa Campanha e contribua para uma infância sem Racismo. Acesse o site www.unicef.org.br ou siga o UNICEF no Twitter: @unicefbrasil e acompanhe o tema da redução do impacto do racismo na infância e na adolescência. Divulgue para os seus amigos! Valorizar as diferenças na infância é cultivar igualdades!

Confira o vídeo.

http://www.youtube.com/watch?v=_aPYuKiKFMg&feature=player_embedded

Mais informações acesse o site
www.unicef.org.br